quinta-feira, 7 de abril de 2011

Das cartas de Oliver para a Garota-do-trem

Ei Garota-do-trem, por onde tens andado? E por que parou de me escrever? De tudo o que escuto, teu silencio é o que mais faz arder meus tímpanos. Sinto a falta de sua tagarelice costumeira... O que aconteceu? Se for minha culpa, faço qualquer coisa para mudar. Vou até para um pagode se assim desejares, e, tu sabes bem que esse tipo de evento não é de meu feitio. Porque quando eu quero, faço tudo para conseguir. Mas, isso é só quando eu sei que posso. Se não, eu desisto, largo e jogo em qualquer esquina que possa libertar. Entretanto, não quero desistir de ti. ARRRRRRGH! Fale-me, Garota-do-trem, qual é o teu itinerário? Qual é a linha que faz meu ponto encontrar com o teu? Qual é a rota que fará esse vácuo ir para as cucuias? Qual é o preço que tenho que pagar para dizer "aleluia" por receber uma carta sua?